ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

sexta-feira, 10 de junho de 2011
     Vago na rua das palavras sem sentido. Desmaio, acentuando pensamentos que chovem, provocando um frio filosófico em minhas entranhas. Caminho, sem desviar o olhar de um horizonte inventado e tropeço em mim, quando em referência ao céu de enigmas feito, vejo-me refletido na água acumulada pelos buracos cavados no chão. Percebo e convivo com as irregularidades da via, da vida. Subo e desço, escrevendo com os pés o texto de um único parágrafo, tentando introduzir meu recomeço. Prossigo na passarela de rabiscos, que rasga meio-fios, rompendo fronteiras entre transeuntes, que buscam a intertextualidade desregrada entre avenidas, vielas e servidões que se enlaçam, sustentando a moldura das margens textuais desenhadas por estradas e becos.