ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

sábado, 3 de agosto de 2013
     

" um vento soprou dentro de mim, que não teve jeito de segurar..."




      Anda correndo um vento dentro de mim, que  não sei identificar. Ora é brisa, ora é um moinho Quixote, é uma sensação tão boa, que me sinto janela aberta, pra um horizonte perfumado e colorido, que vez ou outra traz o aroma do manacá. Se chove, aparece arco íris, porque há sempre sol, aonde passa esse vento. 
     O final da tarde voltou a ter nuvens rosadas, como as do final da rua da minha infância. E o vento? Ele continua soprando, como se  indicasse o caminho de uma liberdade doce e suave, onde não cabe sofrer, só senti-la. Essa força ventonesca que me move tem a coragem e o carinho dos meus pais - tão presentes, quando entra um sudoeste daqueles.
       Existe nesse movimento que empurra folhas e sementes, uma mensagem de tempo de florada.
       Não sei dizer o que é, mas minhas raízes estão gritando, pra eu brotar de novo, arrancam-me a espalhar-me pelo chão e me esticam arvorecendo, dando sombra, flor e fruto, protegendo e protegida, cuidando e sendo cuidada, fazendo o desenho de uma floresta ventada.
       As mãos jardineiras já estão a trabalhar, arando e sulcando a terra, pra quando o vento passar, promover mais vida, marcando cada semente o seu lugar e, soprando a paisagem, prossegue nesse (in)ventar, pintando pela janela do horizonte, um novo olhar.
      É a semente elemento abraçada pela terra, alimentada pela água, em que a  alquimia é  fogo lento, possuído pelo vento, que não para de assobiar sentidos em nossa direção.