ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

sábado, 6 de abril de 2013



Odeio rosas
que saem da boca sem hálito
de faquis do amor
mastigadores da solidão

Prefiro miosótis miúdos
em sua profundidade
para serem descobertos

rosas são os espinhos unhados
da insensibilidade
de quem oferece flores
por ocasião

Meu pai era jardineiro
aprendi com ele
a admirar  azaléias

Ele nunca trouxe rosas
pra casa: elas se tornam
responsáveis
pelos que machucam

Tem gente que cobre
uma rua de rosas
para calçar espinhos

Minha mãe amava dálias
e ficava com pena
quando a chuva as despetalavam

As flores das nossas lembranças
sem espinhos
não morrem
enfeitam nossa calma

Minha filha plantaria tulipas
em todas as paisagens
para semear e colher alegrias
toda manhã

As rosas são tristes:
metáforas de almas belas
carregadoras de espinhos