ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

quarta-feira, 3 de abril de 2013





Ao vê-lo desgarrado
numa caótica poesia
fingindo morrer
apagando a trajetória da rua
atravessada em sua garganta
o vejo seguir...
como uma rima enlouquecida
em busca de um verso livre

Um editor fúnebre
numerando sepulturas
desejando flores murchas
podando pássaros

envenenando-se com o perfume
da vida e de tantas flores
colecionando mortes

oscilando entre o portão
e a partida, mutilando o passado
em inaugurações efêmeras
de um presente embrulhado
por  memórias de Pasárgadas
avessas ao cotidiano encoberto
por cortinas rendadas
embaçando o olhar das janelas.