ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

quarta-feira, 26 de junho de 2013




                                                                                                                                                       




Quantas Marias 
e amares quânticos
cabem nesse teu sentimento -
sórdido
moribundo -
vago
como os espaços
em branco
do poema concretista
preenchido de infâncias
...
infinitos oito anos
que te impedem de Ser
...
trezentos
trezentos e cinquenta...?

Um dia topará
com Abapuru
no espelho
  descoberto
no sumo de ti
escorrendo no canto
da boca oca
de risos falsos

teus olhos faraós
da inconsequência
regarão o deserto
plantado entre nós

o silêncio berrará
adentro
explodindo inomináveis
estrelas cadentes
numa lua feita de sombra

O vento soprará
a pena fingidora
apagando a poesia
da flor do lácio
sustentada pelas grutas -
labirintos de desejo
profundamente seu -
...
e serás o que quiseres
menos 
o que és de verdade.