ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

terça-feira, 2 de novembro de 2010
pMorrer: calou o vento nas montanhas.
Desapareceu no abstrato,
o amor inteiro em formas relidas...
Qual, agora, o aroma da vida?
Não há mais o perfume das palavras sopradas,
dos segredos  iluminados,
sob as pedras,
não há, nem se é...
Esconde-se o sentido do poema solar,
a inconsciência das entre-linhas noturnas.
Nem lesão de músculos , nem nervos de aço
e nenhum problema.
Já não se pergunta os porquês...
o fim tudo responde.
Tudo é rejuntado
e nada segue para o outro lado.
E a paz? A terra? A dívida? A viagem?
Sobrou o incenso apagado,
sob a lage das inteligências desumanas.
Não mais torturas, nem sofrimentos...
Consumiu-se? Consumou-se?
Restou, só, a compreensão
do tudo,
nos restos...
que o nada representa.