ARQUIVENTO

BONS VENTOS A TODOS!!!

domingo, 26 de maio de 2013

Ele era uma praça.
Nele havia mendigos,
um espaço de fé,
crianças correndo,
pombos em revoada,
idosos jogando damas.

Ele: aquilo tudo.
Abraçava a diversidade
quermesses e ambulantes.
Ele: um enorme buquê de flores
perfumados manacás.

Conhecia o caminhar de cada um,
entendia o pisar emocionado
seu chão sensível, os percebia,
mas ninguém o via encolhido
a observar transeuntes,
a contar os sacos de pipocas,
nem os palitos de picolé.

Ele era a praça.
Aquilo tudo.
Um enorme buquê de flores.
A pele social sensível
que ninguém tocava..
Olhos atentos
que ninguém olhava.